sexta-feira, 24 de julho de 2009

A VIDA NOS ARROZAIS




Um capataz e uma aguadeira
Uma coca e uma lanheira
E uma criança ao fogão
Barris e uma coçaria
Ali é que a gente comia
O arroz cru com feijão

Com as calças a cavalo de estado
Andava tudo tapado
Para os bichos não picarem
Trazia-se um sorréco ou uma faca
De vez enquando muito à sucapa
Ouvia-se as milhãs a estalarem

O sorreco era proibido
Tinha que andar escondido
Para o capataz não ralhar
Ele é que não queria ver
Que a erva estava a crescer
E não se podia arrancar

Para as saias não arrojarem no chão
As moças faziam o balão
Se não andavam molhadas
Os aventais eram dobrados
Os chapéus eram enfeitados
Com rosinhas encarnadas

Tapavam a cara com burnel
Para proteger a pele
Punham polainas e mangos
Os mantulhos eram enterrados
E às vezes eram jogados
Com o nome de serongos

10 comentários:

José disse...

Fiquei emocionado ao ler o primeiro verso do primeiro poema, porque eu também comi arroz cru com feijão.
bonitas poesias aqui na vida do Alentejo, sim porque o Alentejo em si já é uma poesia.

voltarei mais vezes
para ver boa poesia

abraço

Kotta1947 disse...

Gostei muito da tua poesia. Simples e maravilhosa. Bjo.

Laurita disse...

Olá, gostei muito dos poemas e além disso são a pura realidade. A minha avó paterna dizia muitas vezes bastante revoltada, que não havia pior trabalho que era o do campo. Também dizia que:- A enxada é uma ferramenta que anda á frente e morde atrás. Beijócas

Kotta1947 disse...

Não conhecia este blog entrei através de Fernando Marques e admito que gostei muito do que li. Noutros tempos a vida era mais dura, e o arroz cru com feijão parece que era a maneira normal de o comer e disso me lembro bem. Os tempos são outros, mas agora a vida para alguns parece voltar ao antigamente. Bjo

Queria dizer que não consigo comentar o blog do Marques

Desmanche de Celebridades disse...

Absolutamente lindo.
Poema comovente.
Retrato da vida valorosa, digna e astusiosa do camponês.

Abraços.
Seguindo-te.

Sonhadora disse...

Belo poema...fez-me voltar às raízes.
Adorei
Um beijo
Vou voltar
Sonhadora

Lídia Borges disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lídia Borges disse...

Que Alentejo este!...

Que país, este!... Ontem, como hoje!

L.B.

SONHADORA disse...

COMO ALENTEJANA QUE SOU....DE CERTO VOU SEGUIR S/BLG

GOSTEI

BEIJO

Celina disse...

TENHO OUTROS AMIGOS DO ALENTEJO OS VERSO SÃO REALISTA MAIS NÃO PERDEM A SUA BELEZA E A PAISAGEM É LINDA FOI UM PRAZER TE CONHECER DA AMIGA CELINA